domingo, 23 de janeiro de 2005

Folclore urbano

Já repararam na maneira como as pessoas usam os telemóveis? Aquilo que poderia ser um apetrecho de trabalho, de lazer, uma coisa que facilitasse a vida, torna-se para muitos (os que estão à volta) um martírio. O que vale é algumas das vezes o incómodo dá lugar à anedota.

Sem querer ser exaustivo (mas sem abandonar a ideia de voltar à carga) aqui deixo o que tenho visto/ouvido por aí.



O empreiteiro - Normalmente tem sotaque "lá de chima" e todos temos de ficar a saber que lhe telefonaram. Vai para as filas dos bancos em dia de enchente e põe a música daquilo em 80 decibéis. Normalmente é uma melodia do Quim Barreiros; à falta deste também não desdenha uma musiquita do conjunto Maria Albertina. Fala em altos berros, "Sim! SIIIM! C'um carago!. ISSO MESMO! SIM !!! SIMM!! SIIIIIIMMM !!! DIZ-ME A ESSE GAJO QUE TÁ TUDO TRATADO". Só comprou o télélé pra mostrar que tem massas, com a berraria que faz não precisava de tecnologia, ouvem-no nem que seja lá no raio que o parta.

O esquecido - Esqueceu-se de desligar o sonoro e é sempre apanhado a meio do filme. Compra o bilhete dele e o da miúda e mais um balde de pipocas e é vê-los embevecidos,no Mélius, de lagriminha ao canto do olho, a empaturrarem-se de milho assado enquanto no écran a heroína agoniza nas mãos de um vírus qualquer, fruto de experiências militares dos E.U.A. De repente, aquela porra começa em altos berros a dar a música da "Guerra das Estrelas" (em tons polifónicos) e o gajo, com o susto, joga as pipocas por cima dos vizinhos de cadeira enquanto a namorada se engasga magistralmente com a garrafa de água da Serra da Estrela.

O repórter - Tem um topo de gama. Enquanto uma máquina fotográfica digital pode custar pouco mais duns vinte contitos (100 €), o estróina prefere pagar o triplo por um telemóvel que só serve pra tirar retratos. E tira bonecos de tudo o que é coisa. Também, com o que aquilo lhe custou ficou sem cheta prós carregamentos...

O/A dactilógrafo/a - Não falha uma tecla, embora os seus dedos sejam mais rápidos que o Lucky Luke. Farta-se de receber e mandar mensagens. Para abreviar troca os esses e os jotas por xis e nem repara que "xantar" tem exactamente a mesma quantidade de caracteres que "jantar". Também não aprendeu que se escreve "você" e não "voçê". Noventa por cento do seu tempo livre é passado a mandar mensagens. Diz-me um amigo engenheiro electroténico que a Nokia, pensando neste género de utilizador, quer mandar cá pra fora telemóveis sem som, só com mensagem.

O patriota - Capaz de pôr qualquer polícia que se preze em sentido. Orgulha-se tanto do seu país que, desgostoso por o Lidl não ter papel higiénico verde/rubro, leva o patriotismo à extrema parolice de usar o hino como toque.

A universitária - Mal a coisa toca mete-a junto à orelha, e sacode a cabeça que é pró cabelo ficar por cima. Põe a cabeça de lado, fazendo daquilo almofada; depois de ter ouvido durante uns trinta segundos, levanta a mão livre à altura do ombro, aberta com os dedos para a frente e a palma para cima como se segurasse uma bandeja, e começa a sua resposta sempre, sempre, sempre da mesma maneira: "Então é assim..."

O dealer - Só poucos sabem o seu número. Usa o modo vibratório que é pra ninguém dar por ele no café. Atende e fala em voz baixa, pondo uma mão à frente da boca quando fala. Como o telemóvel não consegue desligá-lo do que o rodeia, vai sempre olhando à volta enquanto fala. Nunca marca, apenas recebe (estes também podiam dispensar as teclas, com o que poupavam sempre se comprava mais uma dosezinha...).

O irmão dos PALOP- Ó MEU!! TU TÁ BOM? OLHA: MINÁ TUTUCA BATUKÉ, PÁ! SIM!! JMINEU PRÓ TUTÁ BULITÉ, PÁ! AH AH AH!



3 comentários:

jm disse...

Fartei-me de rir ao ler esta posta, muito boa sem dúvida! Boa observação da realidade...

Anonymous disse...

mas onde é que anda o meu comentário????

Anonymous disse...

Noss...

que tem á ver com folclore urbanoO?!