sábado, 17 de dezembro de 2005

Trabalhador do sexo é o farmacêutico!

Pronto! Agora lembraram-se desta. Legalizar a prostituição em Portugal. E os argumentos são o arroz queimado do costume: o sindicato pode intervir em defesa da associada, deixa de haver exploração de mão (mão?!?!?!!?) de obra por terceiros, e blá blá blá do costume.
A denominação até mudou para "trabalhadoras do sexo". Trabalhador do sexo é o meu farmacêutico que me vende preservativos!...
A argumentação é tão falaciosa ( falaciosa não vem de felatio, hem?) como o é pôr uma tenda com três ou quatro garotas ali na meia-laranja, com uma "marzápio" de madeira, a ensinar outros adolescentes a colocar um preservativo, com o intuito de assim se conseguir diminuir o avanço da sida (riem-se? pois olhem que já aconteceu...).
Se se pretende diminuir a entrada ilegal de mulheres forçadas a vender o corpo, deixem-se de tretas: o tabaco é legal e continua a ser contrabandeado. E não são só os que fumam contrabandeado que apanham cancro de pulmão.
Mas como nestas coisas de legislação há sempre alguém por trás que mexe os cordelinhos (exactamente como nas marionetas, ou fantoches...), pergunto-me que douto iluminado vai a que casa de meninas de que tia despejá-los para descontrair da trabalheira que é governar um povo como o nosso; e, pois claro, lhe prometeu o que agora vem a lume na imprensa. Não me digam que os maçons já andam metidos em "antros de perdição".
Mas para quem quiser ver as coisas doutra maneira, o assunto pode ser que renda mais uns cobres ao depauperado tesouro nacional. Só que quem recebe dinheiro das putas é chulo. Será que algum futuro ministro das finanças quer ser acusado de proxenetismo? Também não me parece que os mesmos "decisores dos destinos nacionais" queiram obter os favores duma dessas "trabalhadoras" a um ano da idade de reforma, agora que vai ser aos sessenta e cinco...
E quanto aos comícios de campanhas eleitorais? Se eu disser que um candidato é filho do padeiro, de certeza que não tenho problemas por isso. Espero também, agora que há "trabalhadoras do sexo", que me seja permitido dizer que é filho da dita cuja!

3 comentários:

Zig disse...

Estás a ver a coisa mal. São "Técnicas do Sexo". Qualquer dia até vai aparecer um sindicato do sexo etc. etc.

Abade.anacleto disse...

Bom, bom, falas de "a um ano da reforma", logo, dos 64 anos...Olha que há 64 anos e 64 anos, rsrsrs. Não substimes a malta. Sabes que quem não é para trabalhar também não é para f___r. E já agora logo amanhã, para quê tanto "abespinhamento" contra a regularização das meninas eternamente irregulares? Lembre-se das meninas que trabalham noutros lados, têm os seus direitos sindicais e de assistência social e não são menos putas que as ditas putas. A diferença é que umas vivem daquilo, as outras chamam-lhe um biscate. Assin.: O Provedor deste Blog.

A.Caeiro disse...

BOM NATAL.